jmahfus@hotmail.com

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Por que fechar a Rua Sete?


Por que fechar a Rua Sete?

Olha, sou adepto da máxima é PROIBIDO PROIBIR. Morei durante vinte anos na rua sete de setembro. Sempre teve barulho. E já foi infinitamente pior do que é hoje. É só perguntar para os antigos moradores. Ou se esqueceram dos bailes do clube Independente? Ou do bar do Guga na Major Ouriques? Ou da junção de jovens na Praça José Bonifácio, no início da década de oitenta? Das boates do Clube Comercial e a sua saideira? A zoeira começava na sexta à tardinha e só terminava domingo pela madrugada. Cidade do interior que se presta sempre terá o seu bobódromo. É cultural. É aqui, em Cruz Alta, em Caxias. Até POA já teve o seu, lá no bar do Timbuca, na vila Assunção. Portanto, em tese, sou contra o fechamento. Sou a favor de medidas mitigadoras. Como por exemplo, em caráter experimental, diminuir a área de estacionamento aos finais de semana. E liberar a via da direita na Praça José Bonifácio, apenas para pedestres. Proibir por proibir, é achar que as pessoas continuarão a freqüentar aquele espaço, sem os carros. Muitos ficam ali parados, para serem vistos por quem ali passa. Proibir, por proibir, é transferir os jovens para outro local e continuarem a cometer os seus excessos. Proibir, por proibir, é atitude comum de governos autoritários e incompetentes, que por comodismo optam por aquilo que lhes cause menos desconforto e menos trabalho. Aliás, fica uma pergunta: e temos governo?

Coluna
Não foram os muitos pedidos para continuar a escrever que me fizeram mudar de idéia. Foi um abraço apertado de uma senhora, que eu não conhecia pessoalmente, que me motivam a continuar ocupando um espaço que não é meu, mas é nosso! Como ela mesma disse!

Tarso
Desconhecimento do governador acerca do pujante trabalho empreendido pela UERGS local em consolidar o curso de Administração Rural e implantar Agronomia, revelam despreparo absoluto seu e principalmente de seus assessores. Quando se aborda o tema educação, precisa-se, antes de tudo, de conhecimento de causa.

Fenarroz
Festa ou Feira? O tempo demonstrará que precisamos das duas coisas. Em datas distintas. Mas agora é tempo de saudarmos a executiva que está de parabéns pelo excelente trabalho desenvolvido, que o fez a despeito do executivo municipal ter-lhe dado as costas. E que quando se apresentou, pagou o maior mico da história!

Agricultura
Os dissabores são próprios do capitalismo industrial que renegou essa nobre atividade, em algo de “segunda” classe. Retomar a luta e a capacidade de indignação é fundamental para desenvolvermos políticas tanto para o grande como para o pequeno produtor. Não vivemos sem eles.

Internet Livre
Deputado Mano Changes, lançou no stand da faculdade América do Sul, campanha digital pela internet livre. Importante iniciativa que conta, desde já com o apoio de muita gente importante. Depois, caminhamos e conversamos longamente sobre política. 

PP e PC do B
Por que não? Com o PT pode. Com o PMDB pode. Com o PDT pode. Alianças pragmáticas são do jogo político, desde que se tenha claro que os princípios programáticos fiquem intactos. E fica uma pergunta: podemos estatizar ou privatizar o que, nos municípios? Portanto...

Godói
É um amigo e colega de longa data. Conversamos bastante na FENARROZ. Está convicto que possui chances reais de chegar ao paço. Capacidade e coragem, nunca lhe faltaram.

UFSM
Nesse momento, passa a ser muito importante o trabalho de João Ricardo Tavares, em Brasília, no que tange ao andamento do processo. Sem frufru. Em silêncio e sem comitivas desnecessárias. Se tudo der certo, já podemos sonhar certo, para 2014 e quem sabe até beliscar em 2013. Dentro dos quatro anos, como previ.




Nenhum comentário: