jmahfus@hotmail.com

terça-feira, 30 de agosto de 2011

AMÉRICA DO SUL


Desde o domingo, a FACULDADE AMÉRICA DO SUL, passa por sua última etapa de avaliação do MEC. Os cursos já forma autorizados. Ainda faltava o credenciamento da instituição. No dia de amanhã, certamente já teremos notícias a repassar a todos voces.

Na foto, os avaliadores, os professores e o prefeito de Novo Cabrais.

COLUNA DO JORNAL DO POVO

O golpe de 64

Na semana em que relembramos a morte de Getúlio e celebramos o movimento da Legalidade, bom seria que pudéssemos refletir sobre aqueles acontecimentos, mas com uma visão do presente. Se em 1954 o golpe de Estado não se consolidou, foi única e exclusivamente pelo ato heróico do então presidente. Em 1961, quando tentaram impedir a posse de Jango, e só não o fizeram em razão do maior movimento cívico de todos os tempos (a Legalidade), o golpe apenas ficou adormecido, esperando um novo momento. E esse surgiu em 1964, pelo radicalismo de alguns discursos e pela passividade de João Goulart, que sempre acreditou em seu poder de persuasão, até porque foi esse poder que o conduziu até o centro do poder federal. Não o condeno por não querer resistir. Naquele momento, as condições para mais um golpe de Estado estavam dadas. Mais de 40 anos depois percebe-se sorrateiramente que se dissemina um discurso contra as instituições, tendo como alvo preferencial os políticos, colocando-os todos no mesmo patamar. Boa parte da sociedade de hoje sequer sabe o que é viver sob uma ditadura e o que mais me preocupa e amedronta é que escuto que a democracia gera corrupção e como era bom o tempo em que não se precisava votar. Ledo engano. Pois, se por ventura, uma nova ditadura se instalasse no país, por certo todos os corruptos de hoje lá estariam. Ou vocês acham que José Sarney estaria de que lado? Do povo?

Mal-estar
Eunice no PP. D. Jussara no PP. Nada mais são do que notícias plantadas. Embora a executiva estadual do PT não vete coligações com o PP, certa feita em meu escritório, com testemunhas, ouvi de Neiron Viegas: “O PT de Cachoeira não coliga com Germanos, nem com PR de Sartório, nem com DEM e PSDB”. Portanto, se os progressistas entrarem por uma porta, os petistas saem por outra. E GG já oPTou.


Novo blog
Pois é, estreamos mais um espaço de discussão. Agora no site do JP, estarei conversando sobre assuntos relativos ao meio ambiente. Aguardo vocês por lá para sugerirem e criticarem. Estou preparando uma entrevista com os professores C. Tucci e J. Tundisi, cientistas mundialmente renomados quando o assunto tratado é água, para disponibilizar por lá.

América do Sul
Nesta segunda-feira a Faculdade América do Sul, de Novo Cabrais, recebe a última visita do MEC (serão três auditores) para credenciamento da instituição. Os cursos já foram aprovados por duas visitas anteriores de avaliadores. Dessa feita, o objeto são as condições físicas do local. Vestibular será em janeiro, se tudo correr bem.


Por linhas tortas...
Uma das coisas positivas da gestão do GG foi que ele fez, mesmo sem alardear, um governo de concertação, como diz Tarso Genro. Está bem, teve alguns arranca-rabos com um e outro, mas depois buscou consensos e não foi sectário. Ganhamos todos com isso.

Piso do magistério
Governador está, literalmente, comendo de seu próprio veneno. Seu partido insuflou, por vários anos, os setores do funcionalismo público contra os governantes de plantão. E agora, tergiversa. Decisão do STF mandou o Estado pagar o piso ao magistério estadual. Aleluia, salve, salve. Não se faz educação sem salários dignos.

Gre-nal
Grêmio deu um banho de bola nos colorados. Não fosse o juiz e certamente o clássico teria sido vencido ainda mais facilmente. Espero que Roth mantenha essa mesma formação, com Mário de lateral, depois que ele cumprir a suspensão automática. Assim, ao menos, terminaremos dignamente o Campeonato Brasileiro.

Inelegibilidade
A mesma lei que vale para Luciana Genro, impedida até de concorrer a vereadora em função de ser filha do governador, vale para a esposa do prefeito. A não ser que o mesmo renuncie ao mandato.

domingo, 28 de agosto de 2011

MORRE O JORNALISTA RODOLFO FERNANDES

O velório do jornalista Rodolfo Fernandes, diretor de redação do GLOBO, teve início às 10h deste domingo e conta com a presença de personalidades e políticos, como o deputado federal Miro Teixeira (PDT), o ministro de Assuntos Estratégicos, Moreira Franco, o antropólogo Roberto DaMatta e a atriz Sílvia Buarque. Rodolfo morreu na tarde deste sábado, na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio. Ele tinha 49 anos e lutava desde 2009 contra a esclerose lateral amiotrófica (ELA), diagnosticada em julho daquele ano. No estágio final da doença, Rodolfo enfrentava insuficiência respiratória. Mesmo assim, trabalhou incansavelmente até a última quinta-feira na redação do GLOBO.


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

COLUNA DE SEGUNDA NO JORNAL DO POVO

Qual o papel da esquerda?
Nunca pensei que presenciaria um debate político onde a discussão da esquerda passasse apenas por nomes. Mas por aqui parece ter se tornado uma prática. O PT apresenta Neiron, que até o jeito de se vestir mudou para tentar agradar a quem hoje serve, que são os latifundiários, pois como secretário do Interior sua preocupação tem sido esta: manter as estradas em ordem. O PSB, hoje, tem no comando Trojahn, um empresário defensor do liberalismo econômico e que até hoje só entrou em sindicatos como representante dos patrões. E o PDT... Bem, esse sequer sabe qual a sua ideologia, o que e a quem defende. Eu gostaria de ver figuras como a Mariana, que hoje é uma líder da juventude, assumindo um papel de maior protagonismo e, em especial, liderando o debate. Ser do PT ou do PSB ou de qualquer outro partido não significa ser de esquerda. É preciso um discurso de mudança. Senão será eleito e servirá apenas de instrumento da elite “pensante” e dominante do local. Ainda espero ouvir propostas nesse sentido. Defender a UFSM não é ser de esquerda. Nem defender a Corsan, muito menos. É preciso mais e muito mais indignação. Pois a nossa juventude está atenta e já emite sinais de muita preocupação.

Oscar
Como dito aqui anteriormente, o vereador Oscar preferiu não ser o protagonista de uma eleição, e sim o de assumir um papel de coadjuvante. Voltar para a rádio significa, antes de tudo, rasgar tudo o que escreveu e disse e passa a ser a partir de agora massa de manobra do PP. Cobrem-me depois.

Ulbra
Infelizmente, presenciamos a crônica de uma morte anunciada. Tanto o leilão, como qualquer alternativa torna a unidade daqui cada vez mais fraca. E o que é pior, leva o patrimônio, que já foi cachoeirense, todinho embora. Machadão, Celso Martins, Gil e tantos outros, 15 anos depois, passam a ter a razão. É o tempo. Senhor da história.

FHC
Quem critica, elogia também. O ex-presidente foi muito sensato e muito oportuno em convocar o seu partido a apoiar as ações de Dilma no combate à corrupção. Antes de tudo, apoiará a democracia.

Balde de água fria?
Não, que nada. A posição do reitor da UFSM é muito sensata. A expansão é um processo lento e que precisa vencer instâncias. Só o que me preocupa, no entanto, pelo que entendi, é que teremos que apresentar a área de ocupação para a aprovação.

Apenas uma dúvida
Comitiva que foi a Brasília para presenciar o anúncio da presidenta tirou fotos com todos os deputados. Por que será que se esquivou de JOG? Ele não foi importante para abrir as portas do Ministério da Educação? Ou agora não serve mais?

Marlon
É muito significativa para a nossa cidade a presença de Marlon (PDT) no parlamento gaúcho. Ex-vereador, ex-prefeito e sendo deputado pela segunda vez, cabe a ele nesse momento a tarefa importante de ser um representante da cidade no parlamento e no governo. Por isso, desiste de concorrer a prefeito para não desistir da sua cidade.

Exame da Ordem
Olha, quem me conhece sabe que já fui contra o Exame da Ordem. Hoje, tornei-me um defensor ferrenho. E nada tem a ver com reserva de mercado. É com despreparo mesmo. Nossos cursos hoje em nada preparam para a advocacia. São meramente teóricos. Roda muita gente? Sim. A mesma quantidade que roda em concursos públicos. Ou isso ou o caos!

Segunda Divisão
Odone é um dos piores presidentes que já passou pelo Grêmio. Digo isso com a indignação de quem votou nele. De tanto exaltar a Batalha dos Aflitos, parece que é para lá que nós vamos.


quarta-feira, 17 de agosto de 2011

POSICIONAMENTO DA UFSM EM RELAÇÃO AO ANÚNCIO DA EXPANSÃO PARA CACHOEIRA DO SUL ( do site da UFSM)

O texto abaixo está no link http://sucuri.cpd.ufsm.br/portal2011/noticias/noticia.php?id=35096

Nos últimos anos, fomos solicitados por diversas cidades no sentido de implantarmos expansões em suas cidades e/ou regiões. A UFSM foi a primeira Universidade a ser implantada fora do eixo das capitais e fora da faixa litorânea. Devido a essa característica, a UFSM foi e é pioneira na interiorização do ensino superior público no Brasil.

Já nos expandimos para Frederico Westphalen, Palmeira das Missões e Silveira Martins e auxiliamos efetivamente na construção dos projetos de Cachoeira do Sul e Soledade, porém sempre esclarecemos sobre os passos a serem seguidos após a recomendação dos projetos pelo Ministério da Educação (fato anunciado pela Presidente Dilma), o que dependeu da articulação política dos municípios e não da UFSM.

Estamos num momento de consolidação do projeto de expansão Fase I (CESNORS - Frederico Westphalen e Palmeira das Missões) e REUNI (Expansão em Santa Maria, Frederico Westphalen, Palmeira das Missões e uma nova unidade em Silveira Martins) e temos um compromisso com nossos diretores de unidades, que somente tramitaremos novas expansões, quando estiverem garantidos os recursos financeiros e humanos necessários para a consolidação desse projeto inicial, compromisso que reafirmo nesse momento.

No nosso entender, o anúncio de uma nova unidade em Cachoeira do Sul dá início a uma nova rodada de expansões, onde serão negociados, novamente, todos os quantitativos necessários para esse objetivo. Ou seja, agora cabe ao Ministério da Educação estabelecer as bases para essa expansão em termos de recursos financeiros e humanos.

A partir disso, a UFSM analisará e poderá aceitar ou não, iniciando um processo de negociação, até que as bases sejam estabelecidas e que possamos proporcionar condições para que esse projeto possa tramitar internamente (no Conselho Universitário, a criação da nova unidade e, no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, seus aspectos acadêmicos).

Portanto, o anúncio de uma nova unidade da UFSM em Cachoeira do Sul, somente dá início a uma série de tratativas que não são fáceis de serem aceleradas, principalmente no momento que passam as universidades federais.

Um alento que nos foi dado hoje foi que, além do anúncio das expansões, foi encaminhado ao Congresso Nacional um Projeto de Lei, que cria os cargos e funções necessários para essa expansão, bem como da consolidação do REUNI, já mencionado anteriormente, que talvez tenha sido a única maneira que o governo encontrou de fazê-lo tramitar de forma ágil e rápida.

Concluindo, podemos dizer que já temos a experiência necessária para fazer expansões, agora muito mais cuidadosos para que não avancemos, antes de conhecermos e pactuarmos as condições estabelecidas e resolvermos os passivos ainda existentes.

Esse é o posicionamento da Reitoria da Universidade Federal de Santa Maria.

Assinam,

Felipe Martins Müller – reitor
Dalvan José Reinert – vice-reitor

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

COLUNA NO JORNAL DO POVO

O MAL DA CORRUPÇÃO
Sou obrigado a concordar com Lenin, quando em o Estado e a Revolução, fez severas críticas a democracia formal-burguesa. Mas o faço por uma ótica um pouco diversa daquela que hoje norteia a crítica à classe política, jogando-lhe a culpa pela corrupção que assola o país. Não é acabando com a democracia que acabaremos com a roubalheira. As ditaduras, todas elas, inclusive a militar, no Brasil, enriqueceram muita gente. E são em sua essência, corruptas. O que precisamos fazer é criar mecanismos que inibam e punam os corruptos. Dos dois lados. O processo político, a forma como se dá a liberação de recursos, através de emendas, por exemplo, são males que precisam ser logo extirpados do processo. Assim como a forma de financiamento das campanhas. Pondero, por exemplo, há tempos que o Senado é uma casa desnecessária. Por aí, diminuiríamos, em muito, o gargalo. Mas nesse momento de crise institucional, precisamos aplaudir a Presidenta que tem agido com rigor no combate a corrupção, não poupando sequer os seus companheiros, em detrimento, daquilo que os pseudo-democratas denominam de maioria parlamentar, e que no fundo impulsiona o locupletamento do dinheiro público em favor do privado.
BRIGAS NO PP
Não convidem para sentarem-se juntos, os deputados federais Jerônimo Goergen e José Otávio. Depois das reportagens de ZH, sobre o DETRAN, o deputado cachoeirense perdeu o posto de vice-líder para Jerônimo, com a queda da liderança do partido na Câmara Federal.
JOG EM CACHOEIRA?
Com a expectativa de tornar-se líder do PP, mais longe, cai por terra o motivo alegado para JOG não concorrer a prefeito aqui na cidade. Com quase trinta mil votos na última eleição e com o apoio de grande parte do empresariado, torna-se um fortíssimo candidato, ainda mais se Oscar Sartório aceitar ser o seu vice.
O FANTASMA VERMELHO
As elites cachoeirenses, procuram desesperadamente um candidato viável. Até GG, sem o PT, serve, caso JOG efetivamente não possa aceitar esse desafio. O fantasma de ter Neiron Viegas, prefeito, agora é real e acendeu a luz amarela.
CRIME AMBIENTAL
A notícia da vinda da UFSM tirou de foco o erro cometido pelo secretário de obras em depositar animais no Lixão, que está interditado. O chamado “necrochorume” é letal no que tange a contaminação do lençol freático. MP não vai deixar barato.

UERGS
Embora devamos comemorar a vinda da UFSM, também não podemos esquecer-nos da “prima pobre”. Na semana passada, a Universidade, no fórum de áreas, indicou a necessidade da criação do curso de Agronomia. Em breve, poderemos ter, o tão sonhado vestibular, por aqui. E enfim, parte do Patronato, já cedido pelo GG, terá, novamente, um fim educacional.
CONSUN-UFSM
Só existe uma forma, agora da UFSM, não ser nossa: apresentarem um projeto físico não compatível para os conselheiros e que estes tenham dúvidas de que o recurso rubricado não seja o suficiente. Nada de comemorações barulhentas e a necessidade sim, de conversar bem de perto com o reitor para traçar estratégias.
OBRAS
Tem sido uma decepção a gestão das obras em nossa cidade. Entra secretário e sai secretário e nada muda. Pautados pelos vereadores (que adoram tirar fotos em buracos????) ficam atendendo pequenas demandas, sem realizarem um projeto de longo prazo. Assim, não tem recursos que cheguem a tempo.
ASSASSINATOS
O brutal assassinato da juíza no RJ deve ser combatido com vigor. Mas não podemos nos esquecer dos policiais, civis (estaduais e federais) e militares, que também são executados. Como são em maior número, deixam de ser notícia.





quarta-feira, 10 de agosto de 2011

COLUNA NO JORNAL DO POVO

PORQUE GG É CANDIDATO
Como o maior “crítico” da administração GG, sinto-me profundamente confortável para dizer que seus dois anos e meio de governo e o que lhe falta ainda de tempo, me permite predizer que ele já fará um governo de razoável para bom. Claro que lhe faltam algumas coisas, principalmente uma definição política mais clara. Mas a saúde inegavelmente melhorou; a reativação do porto está por acontecer o que ocasionará uma expressiva geração de empregos; e por certo entrará para a história como o prefeito que trouxe a UFSM, dentre outras coisas. O que eu reputo como mais importante, no entanto, nesses momentos de crise ética, é a sua honestidade e a sua firmeza em relação aos gastos públicos. Alguns dirão que é obrigação. E estarão certos. Mas como é difícil encontrarmos pessoas assim, nesse meio. Isso tudo, aliado a pouca densidade eleitoral dos pré-postulantes, até aqui, a pressão dos amigos que já começa a acontecer e a sua postura frente a determinados assuntos, indicam-me que o prefeito pensa sim, em concorrer novamente. A medicina e a família, nesse momento, já não são mais desculpas convincentes. D. Jussara já está integrada e trabalhando, voluntariamente. E o seu consultório, continua cheio, graças a sua competência como médico. A pergunta que se tem que fazer agora é: por que ele não concorreria? Pois as condições estão todas postas.
LIBERDADE DE EXPRESSÃO
Incrível como os políticos amam e detestam a imprensa. Nos adoram, quando precisam. Nos odeiam, quando criticamos ou veiculamos algo. A coerência passa longe deles. E a atitude do deputado Cherini em tentar calar o Tonho Crocco e seu rap, demonstram que o sonho da maioria deles é censurar seus críticos.
VEM, UFSM
Hoje é dia de audiência pública na sede do MP. Todos lá. Muito embora como dito aqui, há uns dois meses atrás, embora contestado, o MEC opinará em favor da extensão e Tarso fará o anúncio oficial, em sua vinda a cidade, como escrevemos à duas semanas atrás.
OS PAIS DA CRIANÇA
Claro que a colaboração de todos é importante para a vinda da UFSM. Mas para refrescar a memória, o projeto em si é devido à confraria do Eládio, a disposição pessoal do GG e ao projeto petista nacional, em favor da educação pública.



O SAPO E O ESCORPIÃO
Não acredito em traição do Neiron para com GG, em relação äs eleições em 2012. O prefeito brigou com todos por uma coligação com os petistas e salvou o partido do ostracismo. Cristão como é, jamais o atual secretário coligar-se-ia com o maior inimigo do prefeito, que se chama Marlon Santos, em detrimento ao prefeito.
FUTEBOL
Incrível como Gremio e Inter, passados seis meses de competição, sequer possuem um técnico que seja da convicção de ambos. Roth está no Grêmio para salvá-lo do rebaixamento. E o Inter, sequer apresentou um nome até agora. É afalta de planejamento e convicção
CORRUPÇÃO
Culpam apenas os políticos pela corrupção. Ledo engano. A sociedade é quem é corrupta. Vejam o futebol, por exemplo. Clubes afundados em dívidas, e dirigentes e CBF, cada vez mais ricos. A corrupção está solta, independentemente do setor. O remédio para isso é educação e endurecimento na legislação.
SACOLINHAS PLÁSTICAS
É sempre meritória a discussão, quando o foco é meio ambiente. Mas substituir plástico pelo papel, em nada contribui. A lei aprovada, portanto, na prática , tende a ser ineficaz. Aliás, a título de contribuição, na Europa, começa-se a utilizar as sacolas biodegradáveis. O que precisamos fazer é educar melhor as pessoas sobre como descartar seus resíduos. Que aumenta, proporcionalmente, a inclusão social.


UM PLEBISCITO EM FAVOR DA ÁGUA PÚBLICA (publicado originalmento no Jornal do Povo)


Preliminarmente é bom dizer que nesses seis meses de governo Tarso a CORSAN melhorou em muitos aspectos. Muito, por certo, em razão de uma nova política que está sendo implantada. Bom referir também, que o governador, em recente entrevista mostrou-se favorável as PPPs envolvendo CORSAN e iniciativa privada, no que tange ao saneamento básico. Dito isso, também, preliminarmente, optei por um certo tempo defender a campanha da água pública, como pano de fundo, eis que sou totalmente contra, a privatização do serviço. Ao que parece, hoje, os líderes que relutam em assinar com a CORSAN, convenceram-se que a distribuição da água deve ser de controle público, em sua essência, com exceção do Paulo Sanmartin que sempre defendeu a municipalização pública. Portanto, agora, sinto-me mais seguro em defender, novamente, como tenho feito há mais de cinco anos a possibilidade de gerirmos, municipalmente a água.
Por certo que antes de qualquer coisa, precisamos atentar para o aspecto jurídico. Que não é simples, como têm as partes apresentado. Tenho sérias dúvidas sobre a legalidade de um novo convênio. Assim como acho que o processo judicial que hoje tramita, deverá levar alguns anos para se resolver em caráter definitivo, pendendo de recursos para ambos os lados, inclusive o de Reexame Necessário. Sem dúvida alguma, juridicamente o mais correto seria um aditamento ao contrato de 2004, com uma cláusula de rescisão. Também não podemos esquecer que existe um direito a ser pleiteado pela CORSAN em ser indenizada. E por derradeiro, também não podemos esquecer que vivemos em um mundo e que a cidade não é uma redoma de vidro, ou seja, temos sim responsabilidade ambiental com a região e a companhia estadual cumpre esse importante papel. Portanto, não podemos simplesmente achar que os outros que se “lixem, pois essa afirmativa é grosseira do ponto de vista de análise ambiental, pois o que acontece do outro lado do mundo, têm reflexos aqui. Quanto mais no município vizinho.
Discordo, peremptoriamente, do argumento que somente a CORSAN, possa executar o serviço, pois seríamos incompetentes para tal. Esse é um reducionismo lógico, preconceituoso e com um grau muito grande de sentimento de inferioridade. Até porque, o gerenciamento jamais seria político, e sim técnico, e não só aqui, mas no RS e no Brasil, temos inúmeras pessoas capacitadas para tal fim. Quando estava na PGM, engendrei um anteprojeto de Autarquia municipal, que seria a responsável por tal gerenciamento. Esse mesmo modelo, hoje, faz parte da minha tese de doutoramento. Importante referir que num modelo autárquico, o recurso somente poderia ser aplicado em saneamento, sendo impossível a utilização de recursos para outro fim. O modelo proposto, é extremamente enxuto, com apenas um cargo de CC, que seria o de Diretor-Geral, de livre escolha do Prefeito, e os demais doze cargos preenchidos por concurso público. As demais atividades de meio, seriam realizadas por empresas terceirizadas, através de processo licitatório, ou por convênio com a própria CORSAN, se esta estivesse disposta a participar dos processos. Com isso, inibiríamos o empreguismo político e também não incharíamos a autarquia com funcionários efetivos, podendo implementar uma política correta de gestão de recursos humanos.
A Autarquia é o único modelo que permite que se tenha uma redução tarifária, uma política agressiva de saneamento em razão da aplicabilidade única dos recursos e o que considero mais importante, que seria uma política municipal de gestão de recursos hídricos. Como se daria isso? Ora,poderíamos através de um comitê gestor, determinar um consumo por unidade habitacional , sendo que até aquele teto o usuário pagaria um determinado valor. O sobreuso seria tarifado, através de faixas de consumo, onerando o usuário, obrigando-o com isso, a buscar novas formas de aproveitamento e de uso da água. Dessa forma, propiciaríamos que as pessoas que utilizam esse bem finito, consumissem racionalmente e com um baixo custo ( algo em torno de 20% menos ). E oportunizaríamos aquelas pessoas que consomem mais e de forma não racionalizada, a mudarem os seus hábitos. Essa é a grande vantagem da autarquia em detrimento da privatização. A consciência ecológica que regeria a política de gestão. Ou seja, ao invés de incentivar o consumo para lucrar mais, incentivaríamos o consumo racional, até porque nem o lucro e muito menos o subsídio cruzado, fariam parte da estratégia de gestão.
O debate é importante. Todos têm a sua parcela de razão. Percebo hoje, que amadurecemos com a discussão e que a imprensa cumpriu e cumpre com seu papel, fomentando os fóruns e a participação da sociedade. Indubitavelmente, que a municipalização com gestão pública é que nos traria as maiores vantagens, não só estruturais como ambientais, eis que todo o processo seria gerido localmente, com transparência e controle social. Finalmente, entendo que esse deve ser um tema ainda mais debatido e a decisão a ser tomada, precedida por um plebiscito que poderia ser realizado junto com as próximas eleições municipais, a fim de que todos os cidadãos cachoeirenses estivessem mobilizados e fossem ouvidos, e em especial, que a decisão fosse deles, sem intermediários. Por que não?