jmahfus@hotmail.com

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Tons de Cinza ( Coluna de hoje no JP )



Já tinha escrito por aqui um tópico sobre o livro. É o hit da primavera. Seja aqui, em POA ou em SP, o assunto entre as mulheres é o mesmo: o livro "Cinquenta tons de cinza". Quem não leu, ainda irá ler. Outro fato interessante é que independe da idade das mulheres. Apelidado de “pornô para as mamães”, na verdade atingiu todas as faixas etárias. Um simples post no meu Facebook gerou mais de 40 comentários em um final de manhã de sábado. Não nego. Eu li. E não achei nada de mais. O que me intriga é o porquê de toda a discussão. Preliminarmente me parece que as mulheres estão sim insatisfeitas com os homens. E em todos os sentidos. Muitos passam as noites fora de casa, quase que durante toda a semana, sejam em reuniões ou em simples jogos de futebol. E elas ficam abandonadas em casa, cuidando dos filhos e muitas vezes acumulando afazeres domésticos. Isso não significa que estejam propensas a trair. Mas desejam ser desejadas. E em especial, por aqueles que escolheram viver, senão por toda a vida, por um bom pedaço dela. Percebo isso nas conversas. Achar que as mulheres de hoje não possuem desejos além daqueles tradicionais é desconhecer a realidade feminina. A sexualidade deixou de ser um tabu. E passou a ser sim um assunto de interesse latente. Compreender isso passa a ser essencial. E talvez isso explique por que elas desejem tanto um Cristian Grey... 
TrilogiaPara quem não está inteirado sobre o assunto na verdade trata-se de uma trilogia: "Cinquenta tons de cinza", "Cinquenta tons escuros" e "Cinquenta tons de liberdade". E a autora é E.L. James.
Outras obrasPara quem se interessa sobre o tema, existem clássicos que para o meu gosto possuem uma narrativa mais interessante. Estou falando de "História de O", "Delta de vênus" e dos clássicos "Relações perigosas" e "Anti-Justine".
E-booksPara quem gosta de ler na cama com seu net ou tablet, editoras americanas e brasileiras relançam clássicos no formato digital. O mercado percebeu que no nicho erótico o e-book é um bom produto. 
Vários tonsAs mulheres não são iguais. E seu universo é muito instigante. Recomendo o livro "Como ser mulher", que há pouco foi traduzido para o português. Nele, Caitlin Moran discute vários assuntos do universo feminino, de seus 13 anos até a idade adulta.
E os homens?Nessa coluna, que virou quase uma ode ao feminismo, reputo que para nós cabe o papel de estimular a mulher a compreender a sua sexualidade, oportunizando que a mesma seja honesta no que realmente quer e naquilo que espera de seu companheiro. Esse passa a ser o novo papel. Deixar de ser machista, nunca é fácil para nós.
HilárioDentro de todo esse sucesso, o que mais causa espanto é que de uma hora para outra os acessórios eróticos praticamente desapareceram das grandes redes. O sucesso é tanto que até as lojas de ferragens, na Inglaterra, atestaram um aumento de 20% no volume de cordas vendidas, depois do sucesso do livro. 
O sucessoAs mulheres procuram homens (aquelas que procuram) que realmente as satisfaçam em todos os sentidos. Um macho-alfa. As mulheres se envolvem muito mais pelo que ouvem do que pelo que veem. E é isso que acontece na história.
Queima de livros
Nunca vi nada democrático resultar da queima de livros. Em Ohio, homens queimaram exemplares dizendo que suas mulheres só querem saber dos livros e deixaram de lhes dar atenção. Não seria o contrário?
LivrosIndependente se o livro é bom ou ruim, o que importa é que conseguimos atrair mais leitores. Sempre vejo dessa maneira. Seja por E. L. James ou por Paulo Coelho. O importante, nesse momento, é fazermos as pessoas gostarem dos livros.
 

Nenhum comentário: